Textos

ALVES, Yara de Cássia.
Recomposições do passado: Memórias e histórias da festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos em Minas Novas – MG. Religião & Sociedade [online]. 2021, v. 41, n. 03 , pp. 127-144. PDF

ANDRADE, Fabiana.
Entre o doméstico, o familiar e o gênero: os “Jogos de Armar” no fazer policial como mecanismos para enquadrar narrativas femininas em crimes de violência previstos na Lei Maria da Penha. 2021, IBEROAMERICANA. América Latina – España – Portugal21(76), 51–71. PDF

BELVEL FERNANDES JÚNIOR, João.
O parentesco de papel: Direito, poder e resistência em uma ‘cena etnográfica’ com migrantes estrangeiros. 2022. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 15(2), 521-547. PDF

BIONDI, Karina; CURTIS, Jennifer; IRWIN, Randi (org.). 2019. Authoritarianism and confinement in the Americas. São Luís, MA: Editora UEMA. PDF

BIONDI, Karina.
A revolução copernicana nos estudos entre o legal e o ilegal. PDF
Tecnologias de Gestão do Crime, Da Escola de Chicago à São Paulo do Século XXI. Ponto Urbe [Online], 26 | 2020 PDF
Como descrever uma “onda”? Uma abordagem metodológica para a etnografia de um movimento. Anuário Antropológico43(2). PDF
Políticas prisioneiras e gestão penitenciária: incitações, variações e efeitos », Etnográfica [Online], vol. 21 (3) | 2017. PDF
As rebeliões do PCC. R@U, 9 (1), jan./jun. 2017. PDF

MARCURIO, Gabriela de Paula
A rotina extraordinária da comunidade de Paracatu de Baixo (MG) após o rompimento da barragem de Fundão. Equatorial, v. 7, n. 13, p. 1-25, jul./dez, 2020. PDF
‘Somos atingidos todos os dias’: os efeitos dos desastres na comunidade de Paracatu de Baixo (MG). Revista UFMG, v. 27, n. 2, p. 56-79, mai./ago., 2020. PDF

MARQUES, Ana Claudia; LEAL, Natacha (org.). 2018. Alquimias do Parentesco: casas, gentes, papéis, territórios. Rio de Janeiro: Gramma; São Paulo: Terceiro Nome. PDF

MUNHOZ, Sara Regina
O si indelegável como aposta contra a inércia e a apatia na contemporaneidade: Desobedecer, de Frédéric Gros. REVISTA DE ANTROPOLOGIA, v. 62, p. 58-63, 2019. PDF
Registros de uma liberdade vigiada: a construção documental da adolescência infratora nas medidas socioeducativas em meio aberto. RUNA, archivo para las ciencias del hombre, v. 40, p. 257-272, 2019. PDF
A voz das famílias e as vozes sobre as famílias em um núcleo de medidas socioeducativas em meio aberto’. Mana (Rio de Janeiro. Online), v. 23, p. 109-135, 2017. PDF
A elaboração dos documentos na medida. R@U, v. 5, p. 70-81, 2013. PDF
Antropologia legalista e etnografia das leis: as premissas da estabilidade em textos antropológicos e seus possíveis deslocamentos etnográficos. Campos, v. 19, p. 85-102, 2018. PDF

OHLSON, Olof
2021. “Contesting Mexico’s Necropolitics: Necrogovernance and Subversive Necropower in Two Cases”. Latin American Perspectives, Special Issue, Violence and Accumulation in Latin America, 48:(2): 245-259. PDF
“The Political Afterlives of Mexico’s Disappeared”. The Journal of Latin American and Caribbean Anthropology 24(3):672-689, 2019. PDF
«A Noite de Iguala», Ponto Urbe [Online], 28 | 2021, posto online no dia 27 julho 2021. PDF
“Bolsonarismo as Gender Ideology”. Hot Spots, Fieldsights, April 15, 2021. PDF
“Necrotaboos and Political Afterlives in Social Justice Activism during Mexico’s Day of the Dead”, Cambridge University Press:  21 February 2022. PDF

PEREIRA, Renan Martins
Cavaleiros em Tempos de Glória: uma análise etnográfica da história do vaqueiro do Nordeste. Campos – Revista de Antropologia, v. 20, p. 155-174, 2019. PDF
 Velejar e Descobrir: considerações sobre vaqueiros, corpos e lembranças. REVISTA SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA, v. 10, p. 931-956, 2020. PDF
Dominação e Confiança: vaqueiros e animais nas pegas de boi do sertão de Pernambuco. Teoria e Cultura, v. 11, p. 63-80, 2016. PDF

VILLELA, Jorge; VIEIRA, Suzane (org.). 2020. Insurgências, Ecologias Dissidentes e Antropologia Modal. Goiânia: Editora da Imprensa Universitária. PDF

%d blogueiros gostam disto: